José Maria de Mendonça Júnior, Coronel de Cavalaria do Exército Português.

Vivência Militar: Portugal, Angola, França, Alemanha, Macau e Timor.

Condecorações: Serviços Distintos e Relevantes Com Palma, De Mérito, Avis, Cruz Vermelha, De Campanhas.

Vivência turística: Madeira, Açores, Espanha, Baleares, Canárias, França, Alemanha, Inglaterra, Italía, Suiça, Malta, Brasil, Paraguai, Marrocos, Moçambique, África do Sul, Zimbabwe, Indonésia, Singapura, Austráia, Filipinas, China.

Idiomas: português (de preferência), Espanhol, Francês, Inglês.

A melhoria da vivência dos portugueses e dos espanhois, excepcional presensa na União Europeia e no Mundo, residirá¡ numa UNIÃO IBérica constituída por Estados Federados das suas regiões do continente e das ilhas.
 
Esta tese é enviada por http://uniaoiberica.blogspot.com/ podendo ser correspondida pelo e-mail uniaoiberica.federacao@gmail.com ou pelo correio postal: União Ibérica, Av. Bombeiros Voluntários, 66, 5º Frente, 1495-023 Algés, Portugal; Tel: 00 351 21 410 69 41; Fax: 00 351 21 412 03 96.

Pesquisá pelo google.pt ou pelo sapo.pt

terça-feira, Outubro 27, 2009

O PRESENTE E O FUTURO DE PORTUGAL

(*) Fuschini, Augusto 1843-1911
Ora, a Espanha é, como nós, uma nação moribunda…
Esta semelhança de situação e a previsão dos futuros destinos dos dois povos peninsulares devem fazer pensar os seus estadistas no erro e nas consequências de fantasia guerreira, ou de desatino conquistador.
Se a desgraça e os perigos aproximam os homens, também podem aproximar e reunir as nações…

Depois, o equilíbrio europeu existe, sendo cada vez maiores as ambições das grandes potências, que não consentiriam, em caso algum, a absorção do nosso território continental englobado por qualquer das nações vivas e, muito menos, a formação violenta no ocidente da Europa de forte nacionalidade, defendida pelo mar e pelos elevados Pirinéus.

Assim, eu penso que se esta organização houver de realizar-se um dia, os dois povos da península terão de desenvolver a melhor e mais decidida vontade contra as pressões adversas das grandes potências europeias.

A constituição da unidade nacional ibérica, seja qual for a fórmula política, não resultará da conquista, nem será imposta pelas armas, pelo contrário, as relações amigáveis dos povos peninsulares, as comuns desgraças e as exigências da própria defesa, poderão facilitar e apressar, direi até tornar necessária, esta importante transformação na carta política da Europa.

Os perigos que nos ameaçam nascem, pois, de outras origens.

A parte mais importante do nosso domínio colonial está apertada entre as colónias das nações poderosíssimas, ou é ambicionada pelas que pretendem alargar ou criar vastos empórios desta natureza.
É necessário não esquecer a frase de Bismarck:
«há países sem colónias e com colonos, a Alemanha; com colónias e sem colonos, a França; enfim com colónias e colonos, a Inglaterra»

Ora, para todas estas grandes nações, o direito internacional, professado nas altas chancelarias, tem por compêndio e norma a doutrina do precedente capítulo, expressa pelo estadista inglês.
Eis o primeiro perigo.

No domínio continental, se as naturais condições geográficas e a situação política da Europa nos dão fundadas esperanças de nos não vermos, um dia, simples feitoria, ou província anexada de nação estranha, os nossos erros e vícios, as nossas leviandades e imprevidências, poderão criar uma situação interna em que a influência dos estrangeiros absorva ou domine as funções soberanas da nação, reduzindo-a à fórmula moderna de países de protectorado.
Eis o segundo perigo.

Ora, se a invasão armada é quase impossível, esta absorção pelo protectorado, exercendo-se lentamente em nome de interesses internacionais apresentados com habilidade, poderia não conciliar rivalidades, se fosse feita em comum pelas nações interessadas, ou se alguma delas recebesse fortes compensações no desmembramento das nossas colónias

Assim, os dois processos combinados logicamente nos levariam a ser a sombra de uma nacionalidade, exercendo fictícia soberania nos restos desvalorizados do nosso domínio colonial.

Esta acção de protectorado, directamente exercida pelas grandes potências, sem deixar de ferir a dignidade nacional, poderia, ainda assim, envolver algumas vantagens em nosso próprio benefício.

A Grécia deve, talvez, à influência dessas potências haver escapado ao pesadelo e tirânico jugo do decadente império otomano; a ocupação inglesa no Egipto tem produzido, sem dúvida, a ordem na administração e o desenvolvimento de riqueza naquele desordenado e miserável país.

(*) Trata-se de um estrato de um texto de Fuschini, gentilmente enviado por Ramalho Eanes, de acordo com o dinamismo que se continua a dar à UNIÃO IBÉRICA. Porto: Fronteira do Caos, 2005. pp. 71-73

EDITORIAL
Temas e Debates
– Mendonça Júnior, site: http://mendoncajunior.blogspot.com/ e-mail: mendoncajunior24@gmail.com
– Senado News, site: http://senadonews.blogspot.com/ e-mail: senadonews@gmail.com
– União Ibérica, site: http://uniaoiberica.blogspot.com/ e-mail: uniaoiberica.federacao@gmail.com
– Liga de Amizade Luso Espanhola-LALE, site: http://ligaamizadelusoespanhola.blogspot.com/ e-mail: lale.amizade@gmail.com

quarta-feira, Agosto 12, 2009

BILDERBERG e a FEDERAÇÃO IBÉRICA


(*) Mendonça Júnior

Acaba de me chegar às mãos, emprestado por uns escassos dias, um livro, “The Road to Tirany: Total Enslavement” da autoria de Daniel Estulin, traduzido em português em três edições – 1ª Novembro de 2005, 2ª Março de 2006, 3ª Março de 2007 – intitulado, “CLUBE BILDERBERG OS SENHORES DO MUNDO”, aqui já referido, em síntese, num dos meus quatro“blogues”, mas agora acrescido com os actais acontecimentos internacionais.

O livro veio até mim através de um velho amigo que me disse que o tinha recebido, por empréstimo, de um outro seu amigo – não me disse quem era nem me interessei em perguntar – a título confidencial e insistente promessa de retorno.

Limito-me a reproduzir o que despertou a minha atenção:

Primeiro as sínteses da capa do livro:
– Daniel Estulin, nasceu na Rússia
há 39anos e tem nacionalidade canadiana mas reside em Espanha. Jornalista e especialista em comunicação, investiga as actividades secretas do Clube Bilderberg há treze anos. Conquistou três prémios de investigação nos EUA e no Canadá.
– Filho de um oficial do KGB soviético, consultou inúmeras fontes e teve a colaboração dos colegas do seu pai e dos filhos destes, na sua missão monumental de documentar a história do Clube Bilderberg. El Universal.
– Um livro que revela os segredos dos mais poderosos do mundo…Segundo o autor, o Clube Bilderberg prepara um Estado Policial Global que ultrapassa o pior pesadelo de Orwell, com um governo invisível, omnipotente, que actua a partir dos bastidores para controlar o governo dos Estados Unidos, a União Europeia, o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e várias outras entidades. Univision.
– Uma investigação aturada sobre o verdadeiro “governo mundial na sombra” e as suas manobras para criar uma Nova Ordem planetária, dotada apenas de um mercado e de um exército. Yahoo! Notícias.
– Imagine um clube onde presidentes, primeiros-ministros e banqueiros internacionais convivem, onde a realeza presente garante que todos se entendem, onde as pessoas que determinam as guerras, controlam os mercados e impõem as suas regras a todo o mundo dizem o que nunca ousariam dizer em público.

– Pois este clube existe e tem um nome, chama-se Clube Bilderberg:

– Ao longo dos últimos cinquenta anos, um grupo seleccionado de políticos, empresários, banqueiros e outros poderosos tem-se reunido em segredo para tomar as grandes decisões que afectam o mundo.
– Se quiser saber quem mexe os cordelinhos nos bastidores dos organismos internacionais conhecidos, não hesite leia este livro.
– Não temendo pôr em risco a própria vida, Daniel Estulin foi a única pessoa a conseguir romper o muro de silêncio que protege as reuniões do clube mais exclusivo e perigoso da história.
– Fique a saber:
* Porque se reúnem os cem mais poderosos do mundo todos os anos durante quatro dias.
* O porquê do silêncio dos média em relação a estas reuniões.
* Que vínculos existem entre o Clube Bilderberg e os serviços secretos ocidentais.
* Quais os planos do Clube Bilderberg para o futuro da humanidade.

A seguir folheei o conteúdo do livro:
Em termos de forma
o livro tem 297 páginas: Prólogo, Introdução, quatro Capítulos, As Conclusões do Autor, três Anexos e Notas.
Em termos de fundo o livro descreve e comenta as actividades do Clube Bilderberg desde a sua fundação em 1954 pelo Príncipe Bernard de Lippe Biesterfeld, já falecido, e ao qual se atribui a seguinte exclamação:
– «É difícil reeducar as pessoas que cresceram no nacionalismo para a ideia de renunciarem a parte da sua soberania em favor de um órgão supranacional».

– Richard Salam, antigo presidente da CBS News acrescenta:
«A nossa missão não é darmos às pessoas o que querem, mas sim o que decidimos que devem ter».

Estas duas declarações, aqui continuadas em itálico, aguçaram a minha curiosidade ao ponto de saber se no livro se encontravam os objectivos do Clube Bilderberg. O que verifiquei constarem nas páginas 49 a 52 e que eram precedidas de um esclarecimento:


«O Clube Bilderberg procura a era do pós-nacionalismo: quando não haverá países, mas sim apenas regiões da Terra e valores universais. Isto é, uma economia universal, um governo universal (nomeado e não eleito) e uma região universal. Para garantirem estes objectivos, os bilderbergers defendem “mais abordagem técnica e menos conhecimento por parte do público.
Isto reduz as possibilidades de a população se inteirar do plano global dos senhores do mundo e criar uma resistência organizada».

Segundo o livro de Daniel Estulin, são 15 os objectivos do Clube Bilderberg. Após as sínteses anteriores, no SENADO NEWS, e por razões de espaço, julgo ser suficiente apontar:
«Um Governo Único Mundial com um único mercado globalizado, policiado por um exército mundial, uma moeda mundial única, regulada financeiramente por um banco Mundial».

O seu objectivo final é o controlo de absolutamente todo o mundo, em todos os sentidos da palavra. Actuam como se fossem Deus na Terra.

É evidente que:
– O cidadão comum acredita ou não na tese defendida pelo Club Bilderberg.
De igual modo:
– O cidadão comum acredita ou não na tese defendida pela União Ibérica com o fim de se constituirem numa FEDERAÇÃO como já sucedeu noutros países.

Há, e sempre houve, os que baseiam a credibilidade no engenho humano – na criação e aproveitamento dos chamados Ventos da História… e os outros, os Velhos do Restelo, que sempre a contrariaram e obstinadamente a contrariam.

Em resumo:
– Os bilderbergeres acreditam num Governo Único Mundial:
«Como se fossem Deus na Terra».
– Os iberistas acreditam numa Federação Ibérica:
«A melhoria da vivência dos portugueses e espanhois, excepcional presença na união europeia e no mundo residirá numa união ibérica constituída por estados federados das suas regiões e ilhas».

Acredito que ambas as teses são passíveis de acontecer pela força evolutiva dos “Ventos da História”.

Porém, no primeiro caso, parece ser mais credível aceitar um futuro para além do presente século, enquanto que o segundo caso se constituirá nas próximas décadas.

(*) Coronel de Cavalaria

EDITORIAL
Temas e Debates
– Mendonça Júnior, site: http://mendoncajunior.blogspot.com/ e-mail: mendoncajunior24@gmail.com
– Senado News, site:
http://senadonews.blogspot.com/ e-mail: senadonews@gmail.com
– União Ibérica, site:
http://uniaoiberica.blogspot.com/ e-mail: uniaoiberica.federacao@gmail.com
– Liga de Amizade Luso Espanhola-LALE, site:
http://ligaamizadelusoespanhola.blogspot.com/ e-mail: mailto:lale.federacao@gmail.com

quarta-feira, Julho 29, 2009

ALGUMAS IDÉIAS SOBRE PORTUGAL


(*) Mendonça Júnior

Desde o final do século que tenho vindo a defender num dos meus quatro blogues, na UNIÃO IBÉRICA, uma tese sobre a sobrevivência de Portugal e o Futuro que aqui vou repetir em itálico onde incluo, de igual modo, a transcrição de alguns meus e de outros comentários registados na internet nos principais órgãos da Comunicação Social do Continente.

1 – A tese é:
«A melhoria da vivência dos portugueses e espanhois, excepcional presença na União Europeia e no Mundo, residirá numa União Ibérica constituída por estados federados das suas regiões do continente e ilhas»

2 – A sua posição na actual situação mundial:
«A “grande crise” acabará por suceder a prazo.
Na União Europeia, hoje, somos 27, outros juntar-se-ão.
Os “Velhos do Restelo já morreram no início das descobertas marítimas.
Entretanto os “Ventos da História continuarão a soprar, como sempre o fizeram, reduzindo Portugal e a Espanha à sua actual pequenez contrariamente a um passado quando dominavam o Mundo de Este e Oeste.
Na Península Ibérica somos só dois com uma vontade imperiosa de viver… mas de costas voltadas.
Portugal a constituir por regiões será um notável passo para que não fujam para as independências.
Açores já ameaçou.
Madeira já há quem a admite.
No Futuro um só poder governará o Mundo onde cada parcela existirá – ou não - conservando as suas culturas de acordo com a sua hierárquica posição do seu potencial humano, dimensão territorial e recursos da natureza.
Uma Federação Ibérica será um escudado passo para a sobrevivência dos seus povos.
– União Ibérica:
– site:
http://uniaoiberica.blogspot.com/
– e-mail:
uniaoiberica.federacao@gmail.com »

3 – A resposta a certos comentadores que são hoje cada vez menos:
«Obrigado por ter respondido da maneira habitual o que me não surpreendeu.
Refiro-me ao futuro.
Não aos Velhos do Restelo de hoje.
Que daqui a dez anos já não estarão em condições de usar o computador.
Que daqui quinze anos estarão acamados.
Que aqui a vinte anos estarão mortos.
Entretanto mais um Ano Bom para si
Esta minha tese pode ser consultada em:
– site:
http://mendoncajunior.blogspot.com/
– e-mail: mendoncajunior24@gmail.com
– União Ibérica, site:
http://uniaoiberica.blogspot.com/
– e-mail:
uniaoiberica.federacao@gmail.com »

4 – O “nº3 Ibéria”, da crónica de Guta Moura Guedes, titulada como está nesta espígrafe, – no espaço OPINIÃO no COMPROMISSO PORTUGAL, e-mail « info@ compromissoportugal.pt » – que aqui transcrevo, com os melhores cumprimentos maior respeito e alta consideração, na parte que se enquadra na tese por mim defendida:

«Passo a citar:»

«O desenvolvimento de Portugal passa por uma análise rigorosa de alguns vectores fundamentais e por uma tomada de posição em relação a um quadro actual, que se afigura, a todos nós, como bastante difícil e, para alguns, algo desencorajador. Temos de saber, concretamente, onde estamos, onde é que errámos, o que fizemos bem, para a seguir desenhar o futuro.

3. Ibéria:
Sabemos que esta é uma questão incontornável, das mais importantes nesta altura.

Como é que nos relacionamos com Espanha?

Não será necessário baixar algumas guardas mais preconceituosas e pensar Espanha de modo distinto?

Pensar Espanha e Portugal num contexto ibérico, num mapa europeu?

Não será melhor pensar profundamente nesta questão, – a de, por exemplo, uma geografia federada – antecipá-la, jogar mais cedo, antes que ela se imponha como única alternativa possível, perdendo nós aí toda e qualquer capacidade de negociação e controlo?

Vamos pensar Atlântico, isolados?

Devemos identificar as nossas mais-valias e burilá-las como diamantes.

Devemos encarar esta questão de frente e sermos nós a propor o seu perfil futuro».

«Fim de citação.»

(*) Coronel de Cavalaria
NOTA: Os negritos são da minha responsabilidade.

EDITORIAL
Temas e Debates
– Mendonça Júnior, e-mail: mendoncajunior24@gmail.com
– Senado News, site:
http://senadonews.blogspot.com/ e-mail: senadonews@gmail.com
– União Ibérica, site:
http://uniaoiberica.blogspot.com/ e-mail: uniaoiberica.federacao@gmail.com
– Liga de Amizade Luso Espanhola-LALE, site:
http://ligaamizadelusoespanhola.blogspot.com/ e-mail: lale.amizade@gmail.com

terça-feira, Janeiro 06, 2009

A MADEIRA QUER FEDERALISMO


(*) Mendonça Júnior

Foi com o título em epigrafe que o semanário EXPRESSO noticiou na edição da sua primeira pagina, em 3 de Janeiro de 2009 o que, com a devida vénia, transcrevemos alguns extractos em itálico:

«Ainda a polémica dos Açores não terminou já se avizinha uma nova. Jardim e César querem mais autonomia e já se fala em federação.
O presidente da Assembleia Regional da Madeira assume que o objectivo é constituir uma federação.
“Gostava de ver um Estado Federado para o tempo dos meus netos e não me sentiria menos português por isso” diz Miguel Mendonça, que todavia declara que o Governo da Região não quer discutir para já o estatuto da Madeira”.
A ideia de uma federação, embora não perfilhada politicamente, também é defendida
nos Açores e o seu principal teórico foi em tempos o presidente da Assembleia Regional».

Como se sabe tenho vindo a publicar na internet no blogue da UNIÃO IBÉRICA um conjunto de 18 artigos intitulados Federação Ibérica com base no seguinte tema:

«A melhoria da vivência dos portugueses e espanhois, excepcional presença na União Europeia e no Mundo, residirá numa União Ibérica constituída por estados federados das suas regiões do continente e ilhas».

Entretanto como já tenho vindo a referir na internet o processo terá de se desenvolver primeiramente na constituição de regiões portuguesas e espanholas para que não fujam para independências.

Estou perfeitamente ciente que a defesa desta tese será a raiz a consolidar, num futuro que não será muito próximo, dada a sua complexidade político-sócio-económica. Mas se enquadra no adágio “Roma e Pavia não se fizeram num dia”.

Do lado português, os recentes acontecimentos entre Cavaco Silva e o Parlamento vieram empolar as regiões autónomas em termos federativos e relembrar a intenção de constituir regiões em Portugal Continental conforme já foi prometido por Sócrates.

Do lado espanhol já existem regiões que se encontram em risco de se tornaram independentes o que Espanha pretende a todo o custo evitar.

Da união de todas essas regiões, “a união faz a força”, nascerá uma Federação Ibérica.
(*) Coronel de Cavalaria

EDITORIAL
Temas e Debates

– Mendonça Júnior, site:
http://mendoncajunior.blogspot.com/ e-mail: mendoncajunior24@gmail.com
– Senado News, site:
http://senadonews.blogspot.com/ e-mail: senadonews@gmail.com
– União Ibérica, site:
http://uniaoiberica.blogspot.com/ e-mail: uniaoiberica.federacao@gmail.com
– Liga da Amizade Luso Espanhola-LALE, site:
http://ligaamizadelusoespanhola.blogspot.com/ e-mail: lale.amizade@gmail.com

sábado, Novembro 22, 2008

UNIÃO DE PORTUGAL E ESPANHA


(*) Mendonça Júnior
O Jornal de Notícias de 19 de Novembro de 2008 publicou uma crónica na Internet. Com a devida vénia, transcrevo alguns extractos em itálico.

O escritor espanhol Arturo Pérez-Reverte defendeu a existência de uma Ibéria, um país único, sem fronteiras que separem Espanha e Portugal, porque é "um absurdo" que os dois países vivam “tão descontentes um do outro".

Há uma Ibéria indiscutível que está entre os Pirinéus e o estreito de Gibraltar, com comida, raça, costumes, história em comum e as fronteiras são completamente artificiais.

Para Pérez-Reverte, o maior erro histórico de Filipe II, no século XVI, foi não ter escolhido Lisboa como capital do Império:"
Teria sido mais justo haver uma Ibéria, e a história do mundo teria sido diferente".


O escritor disse "que essa Ibéria não existe hoje administrativamente, mas qualquer espanhol que venha a Portugal sente-se em casa e qualquer português que vá a Espanha sente o mesmo".

"Houve dificuldades históricas que nos separaram, mas a Ibéria existe. Não é um mito de Saramago, nem dos historiadores romanos. É uma realidade incontestável que precisa de um empurrão social e não político para concretizar o projecto", disse.

Assim, disse que "é um absurdo que Portugal e Espanha vivam sempre tão separados, tão desconhecidos um do outro já que deviam olhar para a Europa como ibéricos, porque o mundo de hoje “é um lugar de grandes mudanças sociais”.

"O Ocidente como o entendemos está na sua etapa final", disse.

A publicação do Jornal de Notícias refere que recebeu 31 comentários na data em que foi emitida a crónica. Há para todos os gostos. Porém ainda dominam os negativistas que, diga-se de passagem, estão progressivamente a diminuir fazendo jus ao tema defendido no site da «União Ibérica»

(*) Coronel de Cavalaria

Bibliografia:
Arturo Pérez Revert, 57 anos, é um dos escritores mais populares das letras espanholas da actualidade, com obra traduzida em quase trinta idiomas. Antigo repórter de guerra, dedica-se em exclusivo à escrita desde finais dos anos 1980, tendo editado romances como “O cemitério dos barcos sem nome”, “Território Comanche”, “O hussardo”, “ O pintor de batalhas” e os seis romances da série de aventuras “Capitão Alatriste”.
EDITORIAL:
Temas e Debates
– Mendonça Júnior, e-mail:
mendoncajunior24@gmail.com
– Senado News, site:
http://senadonews.blogspot.com/ e-mail: senadonews@gmail.com
– União Ibérica, site:
http://uniaoiberica.blogspot.com/ e-mail: uniaoiberica.federacao@gmail.com
– Liga da Amizade Luso Espanhola-LALE, site:
http://ligaamizadelusoespanhola.blogspot.com/ e-mail: lale.amizade@gmail.com



segunda-feira, Maio 12, 2008

ESPANHA-O EXEMPLO


(*) Belmiro Vieira

A ESPANHA é o país da União Europeia onde se trabalha mais.

Em termos concretos labora-se ali, em média, 39,6 horas por semana, enquanto nos demais países comunitários não se vai além das 36-37 horas.

Quem faz esta revelação é a EUROSTAT, que chega mesmo a admitir que essa média possa em breve ser superada, como uma das formas para minimizar os efeitos da crise económica que, gerada pelo disparatado aumento do petróleo e pela escassez de bens alimentares, se avizinha ameaçando tudo e todos.

Em Espanha, sabem os que a conhecem minimamente, respeita-se muito a regra que lembra que um bom gestor é aquele que, perante dificuldades surgidas, procura aumentar as suas receitas não despedindo a mão de obra laboral ou reduzindo o tempo de trabalho.

Um bom gestor é aquele que procura aumentar os ganhos por via do empenho da força do trabalho disponível.

É esse apelo ao trabalho, que envolve não apenas os efectivos laborais mas também a gestão e o próprio capital que explica o facto de a Espanha ter sido nos últimos tempos – e ainda é – o país da Europa dos 27 com maiores índices de crescimento.

Mas não é só no apego ao trabalho que os nossos vizinhos dão exemplo.
Com efeito, eles se empenham voluntariamente em tudo o que fazem, para que os resultados sejam os melhores possíveis.
Pode-se mesmo afirmar que tem o gosto de estar sempre na primeira fila, como documentam actos do passado como do presente.

Para melhor explicar essa sua propensão para o protagonismo, permitimo-nos recordar a seguir alguns factos, tanto do presente como do passado, que o documentam.
Ei-los:

POLÍTICA:
O segundo governo de José Maria Zapatero, constituido recentemente, dispõe de 18 ministros dos quais 9 são homens e 9 são mulheres.
O que, como diz o Zé, é uma bofetada, sem mão, nos países que proclamam igualdade plena de direitos mas só no papel, já que em termos práticos as mulheres são sempre discriminadas.
Ainda no capítulo da política importa igualmente destacar que uma das primeiras medidas tomadas pelo novo governo foi a baixa nos impostos, isto no preciso momento em que os demais governos europeus dizem não a menos impostos.

LITERATURA:
CERVANTES ( autor do célebre “Don Quixote”, que tem servido de tema para muitos filmes e obras teatrais) assim como Miguel de Unamuno e Garcia Lorca são figuras de destaque na Literatura Europeia e Mundial.

ARTES PLÁSTICAS (PINTURA):
Velasquez, Pablo Picasso (o re-inventor da pintura), Goya e Salvador Dali são nomes sonantes à escala mundial, tendo deixado obras que ilustram vários museus e suscitam disputas acesas e curiosas quando postas em hasta pública.

CANÇÃO E BELO CANTO:
Voz inolvidável, Júlio Iglésias foi e ainda é um autêntico rei da canção popular, enquanto no chamado belo canto, Plácido Domingo e José Carrera formam, com o italiano Pavarotti, o trio que ora domina o sector.

ARQUITECTURA:
Quase todas as grandes cidades espanholas contem obras notáveis e dignas de serem apreciadas, mas e seguramente no domínio da chamada arquitectura religiosa que estão na primeira fila.
Com efeito, monumentos de extraordinária beleza e imponência como são as catedrais de Leôn, Burgos, São Tiago de Compostela, Toledo e bem assim a sagrada família, que o génio de Antonio Gaudi, implantou em Barcelona, só encontram rivais na Itália.
Isto a nível da Europa.

TURISMO:
Mais de 40 milhões de turistas todos os anos são uma referência que faz da Espanha a capital europeia ou mesmo mundial do turismo.

DESPORTO:
Real Madrid e Barcelona estão entre os maiores clubes de futebol do Mundo; o espanhol Alonzo, recém-chegado às corridas automobilísticas da chamada fórmula I, é já bi-campeão; Daniel Pedrosa e Jorge Lourenço vêm disputando com o italiano Valentino Rossi a liderança do mundial de motociclismo na sua categoria rainha; Carlos Sains é um ralista que corre sempre na frente; no hóquei em patins a selecção espanhola é campeão permanente.

TAUROMAQUIA:
Aqui o domínio dos compatriotas de Rodriguez Sanchez Manolete é total.

ACTIVIDADE RELIGIOSA:
País onde o catolicismo predomina, a Espanha não podia deixar de apresentar figuras e factos dignos de ser evocados como exemplos.
Lembra-nos duas dessas figuras:
– Tereza de Ávila, uma mulher, que fundou mais de uma quinzena de mosteiros e, sendo também escritora, escreveu 10 livros e 14.700 cartas das quais a maioria se extraviou restando apenas 1.200;
– José Maria Escrivã de Balaguer, o fundador da “Opus Dei”, uma congregação religiosa, que merece respeito e admiração, sobretudo pelas obras que vem realizando, tanto no domínio da Religião como do Ensino.

A ESPANHA TAMBÉM SE DISTINGUE:
– Pela relação exemplar que tem mantido com as suas antigas colónias. Coisa que infelizmente não se verifica com outros países europeus que possuíram colónias.
– Por um facto visível a olhos nús por qualquer um: a monarquia espanhola é um exemplo de que é possível uma convivência harmoniosa entre esse regime e a chamada democracia.
– Pela convivência quotidiana que a Família Real (o rei D. Juan Carlos, a rainha Sofia, o príncipe Filipe e irmãos) vem mantendo com os cidadãos e que faz deles todos uns autênticos campeões de popularidade, como facilmente se pode documentar.
– Pelo sentimento, de relevante amizade elevada ao mais alto grau, do Rei de Espanha em relação a Portugal:
«Espanha é a minha pátria, Portugal o meu país, disse o Rei Juan Carlos, – publicitando em 08/05/08, – que apesar de ter nascido em Roma e vivido na Suiça, foi Portugal que lhe ficou na alma».

Esta é a Espanha dos bons ventos…
(*) Jornalista
EDITORIAL
Temas e Debates
– Mendonça Júnior, site: http://mendoncajunior.blogspot.com/ e-mail: mendoncajunior24@gmail.com
– Senado News, site:
http://senadonews.blogspot.com/ e-mail: senadonews@gmail.com
– União Ibérica, site:
http://uniaoiberica.blogspot.com/ e-mail: uniaoiberica.federacao@gmail.com
– Liga da Amizade Luso Espanhola-LALE, site:
http://ligaamizadelusoespanhola.blogspot.com/ e-mail: lale.amizade@gmail.com


segunda-feira, Fevereiro 04, 2008

BILDERBERG e IBÉRIA


(*) Mendonça Júnior
Acaba de me chegar às mãos, emprestado por uns escassos dias, a tradução de uma das edições um livro – título original inglês: The Road to Tirany: Total Enslavement – de autoria de Daniel Estulin. Foi traduzido em português em três edições – 1ª Novembro de 2005, 2ª Março de 2006, 3ª Março de 2007 – intituladas: CLUBE BILDERBERG, OS SENHORES DO MUNDO.

Limito-me a reproduzir o que despertou a minha atenção:

Primeiro as sínteses da capa do livro:
– Daniel Estulin, nasceu na Rússia há 39anos e tem nacionalidade canadiana mas reside em Espanha. Jornalista e especialista em comunicação, investiga as actividades secretas do Clube Bilderberg há treze anos. Conquistou três prémios de investigação nos EUA e no Canadá.
– Filho de um oficial do KGB soviético, consultou inúmeras fontes e teve a colaboração dos colegas do seu pai e dos filhos destes, na sua missão monumental de documentar a história do Clube Bilderberg. El Universal.
– Um livro que revela os segredos dos mais poderosos do mundo…
Segundo o autor, o Clube Bilderberg prepara um Estado Policial Global que ultrapassa o pior pesadelo de Orwell, com um governo invisível, omnipotente, que actua a partir dos bastidores para controlar o governo dos Estados Unidos, a União Europeia, o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional e várias outras entidades. Univision.
– Uma investigação aturada sobre o verdadeiro “governo mundial na sombra” e as suas manobras para criar uma Nova Ordem planetária, dotada apenas de um mercado e de um exército. Yahoo! Notícias.
– Imagine um clube onde presidentes, primeiros-ministros e banqueiros internacionais convivem, onde a realeza presente garante que todos se entendem, onde as pessoas que determinam as guerras, controlam os mercados e impõem as suas regras a todo o mundo dizem o que nunca ousariam dizer em público.
– Pois este clube existe e tem um nome, chama-se Clube Bilderberg.
– Ao longo dos últimos cinquenta anos
, um grupo seleccionado de políticos, empresários, banqueiros e outros poderosos tem-se reunido em segredo para tomar as grandes decisões que afectam mundo.
– Se quiser saber quem mexe os cordelinhos nos bastidores dos organismos internacionais conhecidos, não hesite leia este livro.
– Não temendo pôr em risco a própria vida, Daniel Estulin foi a única pessoa a conseguir romper o muro de silêncio que protege as reuniões do clube mais exclusivo e perigoso da história.
– Fique a saber:
* Porque se reúnem
os cem mais poderosos do mundo todos os anos durante quatro dias.
* O porquê do silêncio dos média em relação a estas reuniões.
* Que vínculos existem entre o Clube Bilderberg e os serviços secretos ocidentais.
* Quais os planos do Clube Bilderberg para o futuro da humanidade.

A seguir folheei o conteúdo do livro:
Em termos de forma o livro tem 297 páginas – Prólogo, Introdução, quatro Capítulos, As Conclusões do Autor, três Anexos e Notas.
Em termos de fundo o livro descreve e comenta as actividades do Clube Bilderberg desde a sua fundação em 1954 pelo Príncipe Bernhard, já falecido, e ao qual se atribui a seguinte exclamação:
– «É difícil reeducar as pessoas que cresceram no nacionalismo para a ideia de renunciarem a parte da sua soberania em favor de um órgão supranacional».
– Richard Salam, antigo presidente da CBS News acrescenta:
«A nossa missão não é darmos às pessoas o que querem, mas sim o que decidimos que devem ter».
– Estas duas declarações, aqui expressas em itálico, aguçaram a minha curiosidade ao ponto de saber se no livro se encontravam os objectivos do Clube Bilderberg.

O que verifiquei constarem nas páginas 49 a 52 e que eram precedidas de um esclarecimento:
«O Clube Bilderberg procura a era do pós-nacionalismo: quando não haverá países, mas sim apenas regiões da Terra e valores universais. Isto é, uma economia universal, um governo universal (nomeado e não eleito) e uma região universal. Para garantirem estes objectivos, os bilderbergers defendem “mais abordagem técnica e menos conhecimento por parte do público.
Isto reduz as possibilidades de a população se inteirar do plano global dos senhores do mundo e criar uma resistência organizada».
O seu objectivo final é o controlo de absolutamente todo o mundo, em todos os sentidos da palavra. Actuam como se fossem Deus na Terra.

– Segundo o livro de Daniel Estulin, são 15 os objectivos do Clube Bilderberg.
– Após as sínteses anteriores, e por razões de espaço, julgo ser suficiente apontar somente o primeiro desses objectivos:
«Um Governo Único Mundial com um único mercado globalizado, policiado por um exército mundial, uma moeda mundial única, regulada financeiramente por um banco Mundial».

O cidadão comum acredita ou não na tese defendida pelo Club Bilderberg assim como, de igual modo, na tese defendida pela União Ibérica – ambas publicitadas na internet.
Há, e sempre houve, os que baseiam a credibilidade no engenho humano – na criação e aproveitamento dos chamados Ventos da História… e os outros, os Velhos do Restelo, que sempre a contrariaram.

Em resumo:
– Os bilderbergers acreditam num Governo Único Mundial…
– Os iberistas acreditam numa União Ibérica:
«A MELHORIA DA VIVÊNCIA DOS PORTUGUESES E ESPANHOIS, EXCEPCIONAL PRESENÇA NA UNIÃO EUROPEIA E NO MUNDO RESIDIRÁ NUMA UNIÃO IBÉRICA CONSTITUIDA POR ESTADOS FEDERADOS DAS SUAS REGIÕES E ILHAS».

Ambos têm a consciência de que haverá, a prazo a solução de ambos os casos. O futuro dirá.

Porém, no primeiro caso, parece ser mais credível aceitar um futuro que o enquadre para além do presente século, enquanto o segundo caso se constitua nos próximos anos.

(*) Coronel de Cavalaria
EDITORIAL
Temas e Debates

– Mendonça Júnior,
e-mail: mendoncajunior24@gmail.com
– Senado News, site: http://senadonews.blogspot.com/
e-mail: senadonews@gmail.com
– União Ibérica, site: http://uniaoiberica.blogspot.com/
e-mail: uniaoiberica.federacao@gmail.com
– Liga da Amizade Luso Espanhola-LALE, site: http://ligaamizadelusoespanhola.blogspot.com/
e-mail: lale.amizade@gmail.com